Renault Clio R.S. 200 EDC Monaco GP lançado em Portugal

Renault Clio R.S. 200 EDC Monaco GP lançado em Portugal

0 826

Na senda do célebre Clio Williams lançado nos anos 90, chega ao mercado o Renault Clio R.S. 200 EDC Monaco GP, uma série limitada a apenas 5 unidades para Portugal, e comercializado por 31.450 euros.

As diferenças em relação ao “vulgar” Clio R.S. 200 EDC são apenas visuais. A carroçaria só está disponível em duas cores – a exclusiva Branco Givre Nacarado e Cinzento Platina – mas sempre com o tejadilho em preto. Ainda no exterior, destaque para os acabamentos em preto brilhante na lâmina no pára-choques dianteiro, nas jantes em liga leve de 18 polegadas, nas protecções e puxadores das portas, bem como nos espelhos retrovisores. Não menos importante e ainda mais distintiva, a assinatura Monaco GP nas laterais.

Um conjunto de pequenos grandes detalhes que, para além da exclusividade, conferem uma interessante distinção a um modelo com carácter vincadamente desportivo.

Uma vez no habitáculo, a sensação é a mesma. O ambiente da versão “civil”, mas com vários acabamentos em “Dark Metal”, bancos dianteiros em carbono escuro com aquecimento, a assinatura Monaco GP nos tapetes (em bordado) e a placa numerada Monaco GP na soleira da porta do condutor. Os pedais também são em alumínio e o volante específico, em couro, tem o marcador de ponto zero.

Tal como a designação deixa entender, o Renault Clio R.S. 200 EDC Monaco GP herda a caixa de velocidades sequencial com comandos por patilhas no volante – proposta única no segmento!

renault-clio-rs-200-edc-monaco-gp_6

O botão “RS Drive”, colocado junto à manete específica da caixa de velocidades, permite seleccionar três diferentes modos – diga-se temperamentos! – para o Clio R.S. 200 EDC Monaco GP. O modo “Normal” privilegia a suavidade e o conforto, enquanto o “Sport” apura a dinâmica. Mas é no “Race” que o modelo revela o seu temperamento mais genuíno. Um deleite para quem procura levar as emoções e as sensações ao extremo. As passagens de caixa fazem-se em reduzidíssimos 150 milésimos de segundo, o acelerador ganha uma ainda maior sensibilidade, a direcção ganha firmeza, o “braço” substitui o ESP e o ASR (que se desligam) e, claro, há o Launch Control. O seu funcionamento não podia ser mais simples: pé esquerdo no travão, pressão prolongada nas duas patilhas atrás do volante e surge logo a mensagem no painel de instrumentos "launch control on". O automóvel está imobilizado e com o pé direito no acelerador, a fundo, as rotações sobem até às 2.500 rpm. Para ir dos 0 aos 100 km/h só precisa de escassos 6,7 segundos – apenas mais sete décimos que o Mégane R.S.! Com partida parada, só precisa de 27,1 segundos para cumprir os 1.000 metros.

A “culpa” destes números também é do motor 1.6 turbo de 200 cv e 240 Nm de binário, a partir das 1.750 rpm. Um bloco de injecção directa que foi alvo de afinações específicas nomeadamente ao nível da admissão variável e do turbo.

O chassis impressiona pelo comportamento, incorporando os apoios de compressão hidráulicos e o diferencial electrónico, duas tecnologias com a assinatura exclusiva da Renault Sport Technologies. Uma referência, ainda, para os potentes e eficazes travões Brembo, com estribos vermelhos de acordo com a imagem desportiva do modelo.

Sublinhe-se que o Renault Clio R.S. 200 EDC Monaco GP apenas está disponível com o chassis Cup, o que tem carácter mais desportivo e onde a pilotagem e as performances são mais genuinamente exploradas. Ainda assim, não deixa de ser surpreendente a suavidade e o conforto que revela em andamentos mais moderados ou em percursos urbanos, sendo mesmo capaz de consumos na ordem dos 6,4 litros por cada 100 quilómetros, a que correspondem emissões de CO2 limitadas a 144g/km.

renault-clio-rs-200-edc-monaco-gp_1renault-clio-rs-200-edc-monaco-gp_3renault-clio-rs-200-edc-monaco-gp_4renault-clio-rs-200-edc-monaco-gp_5

NO COMMENTS

Leave a Reply

*