Ford Transit: Evolução de um ícone entre os veículos comerciais entre 1965...

Ford Transit: Evolução de um ícone entre os veículos comerciais entre 1965 e 2015

A gama do lendário veículo comercial Ford Transit celebra este ano o seu 50º aniversário, marcando cinco décadas de leais serviços desde que o primeiro exemplar deixou a linha de montagem, em Agosto de 1965. Este é o marco mais recente de uma extensa história da Transit, que viu este icónico veículo comercial alcançar uma popularidade crescente em todo o Mundo, sob a estratégia One Ford.

Pré-1965
Antes de 1965, a Ford disponibilizava duas gamas independentes de veículos comerciais aos seus clientes europeus, o FK, construído na Alemanha e lançado em 1953, e o Thames, modelo de origem inglesa e lançado em 1954. Com o dealbar dos anos 60, ficou claro que a procura de vans pelos clientes estava a crescer em termos de exigências – maior capacidade de carga, mais flexibilidade e maior velocidade – pelo que a Ford decidiu substituir os dois modelos por uma geração totalmente nova de vans, capaz de satisfazer as necessidades do mercado europeu, e simultaneamente construídas no Reino Unido e na Alemanha.

1965
A primeira Transit de sempre saiu da fábrica de veículos comerciais de Langley, em Berkshire, Inglaterra, no dia 9 de Agosto. Estava já repleta de inovações, como um circuito impresso no painel de instrumentos, trancagem da direcção em opção, uma porta lateral de carga e cintos de segurança com pontos de fixação. Pouco depois do seu lançamento novas inovações foram introduzidas, como os faróis de halogénio, pneus sem câmara-de-ar e molas de suspensão mais leves.

A Transit original estava equipada com um motor a gasolina de 1,7 litros de 74 cv ou um 2.0 de 86 cv e o primeiro Diesel adoptado foi um bloco Perkins 4/99 com 44 cv. Estava disponível em duas configurações de chassis, cada um com três planos de carga possíveis (versão curta dos 610 aos 1.120 kg, versão longa dos 1.272 aos 1.782 kg). As vans podiam estar dotadas de duas portas iguais atrás ou um portão única, portas de batente ou deslizantes e com ou sem porta lateral.

1968
Arranque da produção do motor Diesel da Ford para a Transit na fábrica de Dagenham, perto de Londres.

Em Portugal tem início a produção da Transit na fábrica de montagem de Azambuja e aí continuou a ser montada, ao longo de 33 anos, até Março de 2000, ano em que a unidade fabril foi encerrada

1971
A imagem da Transit foi modernizada com a introdução de uma grelha mais parecida com a de um automóvel.

1972
A Ford introduziu o primeiro motor Diesel de pequenas dimensões e mais rotativo, denominado York. Estava disponível com dois níveis de potência, de 55 cv para as versões com chassis mais curto e de 62 cv para as mais pesadas versões com chassis longo.

1973
Para reduzir os custos para os seus proprietários, a Transit tornou-se no primeiro veículo comercial a ter pneus radiais em toda a gama.

1974
Foi introduzido um novo derivativo com uma capacidade de carga de 1.000 kg, baseado na carroçaria e chassis mais longos, mas utilizando apenas rodas traseiras simples.

1975
A nova Transit passou imediatamente a ser reconhecida, graças a um novo e funcional “efeito negro”, com a grelha, os pára-choques, os contornos dos pára-brisas e os retrovisores exteriores pintados em preto. No interior da cabina, os pedais foram avançados e o assento recuado, para criar 100 mm de espaço extra para as pernas, enquanto a coluna de direcção foi alongada para melhorar a posição de condução.

Ainda mais importante, a Transit foi o primeiro veículo comercial a usar travões de disco dianteiros servo-assistidos, solução adoptada nas variantes mais curtas desde 1975 e nas mais longas um ano depois.

1976
Foi lançada uma nova Transit de maior capacidade, a 190, elevando a capacidade de carga da Transit para as 3,5 toneladas. Como parte deste programa, os travões de disco foram introduzidos em toda a gama, com a nova e mais pesada 190 a apresentar discos ventilados na frente, o que sucedia pela primeira vez num veículo comercial de gama média.

Nesse mesmo ano foi alcançado um marco histórico em termos de produção, quando saiu da linha de montagem a 1.000.000ª Ford Transit.

1978
A maior alteração de estilo da Transit deu-se com o lançamento de uma geração renovada em Março de 1978. O até então grosseiro capot surgia mais simplificado e mais comprido, podendo receber de forma mais adequada tanto o motor a gasolina, como o incrivelmente popular motor Diesel.

Ao mesmo tempo, foram introduzidos motores com árvores de cames à cabeça (OHC) mais eficientes. Outras mudanças foram a introdução da nova transmissão automática C3 da Ford, e um aquecimento mais potente, com ventilação integrada, com tubagens semelhantes às dos automóveis.

1983
Como parte do programa de desenvolvimento do motor Diesel de 2,5 litros e injecção directa (DI), foram utilizados no terreno 100 protótipos de motores, para serem usados em condições reais por diferentes operadores.

1984
É lançado o revolucionário motor Diesel 2.5 Di. Utilizava uma bomba de injecção rotativa. A potência foi aumentada dos 62 para os 68 cv e ao mesmo tempo verificaram-se melhorias nos consumos na ordem dos 24% nas versões curtas e de 20% nos modelos de chassis longo.

1985
Outro marco da produção é atingido no dia 25 de Julho, com a Ford Transit nº 2.000.000 a sair da linha de produção.

1986
A nova geração da Transit foi lançada em Janeiro, pouco mais de 20 anos após a versão original. Esta radicalmente ousada fast-front Transit tinha o melhor coeficiente de penetração da sua classe, com 0,37 de Cd, valor que era melhor do que o de muitos automóveis da altura. Apesar do aumento entre 11 e 13,5% do espaço de carga, o Cd viu-se reduzido em 11%, permitindo uma poupança de combustível até aos 8%.

A nova frente não era apenas um simples dispositivo aerodinâmico, tendo também sido desenhada para se deformar progressivamente em caso de impacto, melhorando a segurança. O novo capot permitia ainda um acesso mais fácil ao motor para operações de manutenção. A equipa de design criou portas maiores, com zonas vidradas maiores, criando uma maior sensação de espaço. O acesso ao compartimento de carga foi melhorado, com o uso de portas traseiras mais largas e mais altas e com o aumento da largura da porta lateral, que podia agora aceitar paletes de carga com 1 metro de largura.

Outras mudanças importantes incluíam a introdução de uma modificada suspensão dianteira independente do tipo MacPherson e uma direcção de pinhão e cremalheira nas versões mais curtas, pára-brisas laminado, bem como o uso de fechaduras de alta segurança Chubb-style nas portas e na ignição, para melhorar a segurança do veículo.

1991
A Transit quebrou, de novo, as barreiras definidas através de um novo desenho da estrutura da carroçaria. Tal não apenas melhorou a eficiência de produção e, consequentemente, a qualidade final do produto, como permitiu a estes modelos ultrapassar a exigência dos crashtests feitos a 48 km/h. A nova carroçaria deu origem a um novo derivativo de chassis curto, com uma capacidade de 1,5 toneladas, a Transit 150, que foi lançada com jantes de 15 polegadas.

Os modelos de chassis longo mudaram de forma ainda mais significativa. As jantes de 15 polegadas tornaram-se de série, o modelo adoptou rodado simples atrás e passou a ter suspensão dianteira independente e direcção de pinhão e cremalheira.

O modelo de 1991 marcou, também, a estreia de um motor turbodiesel na Transit. Este derivava do bloco 2.5 Di, com a adopção, pela primeira vez num comercial médio, de um sistema de gestão electrónica, chave para atingir os 100 cv e as cada vez mais rigorosas normas de emissões de escape. Foi também lançado um novo motor diesel 2.5 Di naturalmente aspirado de 80 cv que usava um colector de admissão com efeito ramificado, complementando o já existente bloco de 70 cv,.

1994
A Ford produziu a Transit nº 3.000.000 a 15 de Setembro, o mesmo mês em que outra nova Transit foi lançada. Facilmente reconhecida pela sua suave grelha oval, este modelo foi a mais refinada e segura Transit até então construída. Os níveis de ruído medidos eram 5 dB mais baixos do que antes, representando uma dramática redução no nível de ruído percetível em mais de 70%.

A segurança de toda a van e dos chassis-cabina foi melhorada de forma significativa através de uma quantidade de componentes com desenho específico, incluindo fecho central de portas, alarme periférico, sistema electrónico anti-roubo com duplo fecho da Ford. A segurança dos ocupantes viu-se fortemente aumentada com a introdução de cintos de segurança de três pontos e diagonais no banco central dianteiro e airbags disponíveis para o condutor e os dois passageiros da frente.

1995
A partir da Primavera, os cintos de segurança simples, solução que equipava todos os bancos traseiros nas versões de 12 e 15 lugares dos miniautocarros Transit, foram substituídos por cintos com três pontos, diagonais. O conforto do condutor foi melhorado com um interior da cabina redesenhado, apresentando novos materiais com cores mais leves e brilhantes, um aspecto completamente revisto, incorporando o painel de instrumento ao estilo do Mondeo e um sistema de climatização completamente novo.

1996
O minibus Transit de 17 lugares faz a sua estreia. Tinha o conforto e a segurança ao mais alto nível, incluindo cintos de segurança diagonais com enroladores de inércia em todos os lugares, testados de acordo com as exigências de um automóvel, bancos traseiros elevados com encostos de cabeça fixos, airbags para o condutor e passageiros da frente de série e travões com sistema antibloqueio, também de série.

1997
A Transit passou a ser produzida na fábrica da Ford de Hai Dong, no Vietnam, e a primeira Transit feita na China foi construída pela JMC em Nanchang, resultado de uma joint-venture entre a Jiangling Motors Co., Ltd. e a Ford.

1998
Sistemas de Distribuição Electrónica da Força de Travagem e de Controlo de Tracção foram introduzidos em simultâneo, com um reforçado sistema de imobilização e trancagem da coluna de direcção melhorado. Pela primeira vez, vários derivativos Ford Transit foram convertidos para poderem rodar com GPL e um sistema de embraiagem automática foi introduzido nas caixas de velocidades manuais e automáticas.

2000
Após 35 anos, foi lançada toda uma nova geração Ford Transit. Produzida na fábrica da Ford em Genk (Bélgica), foi apresentada publicamente durante o RAI 2000 European Road Transport Show, em Amesterdão (Holanda). Pela primeira vez, propuseram-se configurações com tracção às rodas da frente e às de trás, montadas numa plataforma comum.

Mais um marco na produção é atingido, com a 4.000.000ª Ford Transit.

2001
Foi introduzida na nova Ford Transit uma tecnologia para as passagens de caixa, com base na solução usada na F1, com a avançada transmissão automatizada Durashift EST.

A nova Transit foi eleita “International Van of the Year 2001”, e ganhou também o prestigiado “Arctic Van Test” deste ano, realizado na Lapónia, e ainda o “Parcel Van of the Year”, na Alemanha.

2002
A Transit Jumbo, com capacidade para 4,25 toneladas de carga e rodado traseiro duplo, foi lançada no Salão de Amesterdão (Holanda). Continuando o sucesso da versão Jumbo de 3,5 toneladas, lançada em 2001, este novo modelo Transit oferece a melhor combinação de sempre entre espaço de carga e carga útil.

A Ford revelou, também, a Transit Connect, um novo e pequeno membro da família Transit, oferecendo uma liderança inquestionável em termos de flexibilidade, área de carga e segurança, assim como custos operacionais imbatíveis.

O novo motor commonrail turbodiesel Ford Duratorq TDCi passou a estar disponível também na Transit, disponibilizado inicialmente como opção nos modelos Transit com tracção dianteira, numa versão de 2,0 litros e 125 cv.

2003
Um novo modelo de duas toneladas, com piso rebaixado e tracção às rodas da frente, juntou-se à gama Transit.
A nova Transit Connect foi eleita “International Van of the Year 2003”, recebendo ainda prémios individuais em mais sete países.

Outra estreia na indústria – o sistema anti-bloqueio dos travões (ABS) – passou a ser de série no modelo.

2004
A produção da Ford Transit passou de Genk (Bélgica) para a moderníssima fábrica da Ford de Otosan, em Kocaeli (Turquia).

2005
A Ford Transit Connect venceu o prestigiado “Arctic Van Test”, que decorreu na Lapónia.

Outro marco histórico foi atingido, com a produção da Ford Transit nº 5.000.000, celebrando-se a 9 de Agosto de 2005 o 40º aniversário.

2006
Uma nova geração da Transit foi lançada, com um refrescante e novo design exterior e uma nova cabina, com a alavanca das mudanças colocada em plano elevado e oferecendo maior conforto e uma maior disponibilidade de recursos. O Controlo de Estabilidade Electrónico (ESP) ficou disponível para toda a gama, enquanto uma nova gama de motores – seis diesel e um a gasolina, com conversores para GNC e GPL – passou a disponibilizar níveis de potência mais limpos e eficientes.

2007
Foi adoptado o sistema de Tracção Integral Inteligente, tornando a Transit na única van a oferecer versões com tracção dianteira, traseira e às quatro rodas na mesma plataforma. O ESP passou a ser de série em todos os modelos com tracção às rodas da frente e de trás, com o motor Duratorq TDCi, e foi introduzida a nova Transit SportVan Series.

A Transit foi, de novo, eleita “International Van of the Year 2007”.

2008
O novo e potente motor Duratorq 3.2 TDCi com 200 cv e 470 Nm foi introduzido nos modelos de maior carga útil e com tracção traseira.

2009
É lançada a eficiente Transit ECOnetic. Adoptando um filtro de partículas Diesel (cDPF) como opcional, a Transit ECOnetic foi o primeiro comercial da Ford a cumprir os níveis de emissões Euro V.

2010
A Transit ultrapassou o marco das 6.000.000 de unidades a 30 de Abril. Em Agosto, o modelo festejou o seu 45º aniversário.

2011
Com o lançamento da 2012 Transit, a Ford introduziu a nova e global família de motores diesel Duratorq 2.2 TDCi, garantindo o cumprimento dos níveis de emissões Euro V e oferecendo novas tecnologias de economia e eficiência, como o Auto-Start-Stop e limitador de velocidade programável.

2012
É lançada a nova Transit Custom. Pensada para o segmento de uma tonelada, esta solução oferecia novos níveis de estilo, segurança e capacidade de carga, bem como uma excelente economia nos consumos, com menores custos para o utilizador. Algo que foi igualmente reconhecido através do prémio “International Van of the Year 2013”.

A nova Transit Custom foi também o primeiro veículo neste segmento a receber a classificação de 5 estrelas nos testes de segurança Euro NCAP.

Em paralelo com o lançamento da Transit Custom, a Ford revelou também os seus planos de renovação e aumento da gama Ford Transit com uma linha de modelos totalmente nova. Em conjunto com a Transit Custom de uma tonelada, esta nova linha incluía ainda uma nova Transit de duas toneladas, a nova Transit Connect, e aquela que se tornou na van mais compacta de sempre no segmento, a nova Transit Courier.

2013
A 20 de Junho, a Ford celebrou a produção da Transit nº 7.000.000.

Arrancou a comercialização da nova Transit Connect, oferecendo melhores consumos, maior durabilidade e capacidade de carga, com a escolha entre dois tamanhos de carroçaria, com carga útil até 1.000 kg, e recursos de espaço inovadores. As opções de motores incluíam um muito económico 1.6 TDCi diesel e o galardoado 1.0 EcoBoost a gasolina.

A nova Transit Connect foi eleita “International Van of the Year 2014”.

A Ford anunciou uma versão de tecto alto da van Transit Custom, oferecendo 20% mais em volume de carga que o modelo de tecto mais baixo.

2014
Foi lançada a nova Transit de duas toneladas. Porta-estandarte da renovada e aumentada gama Transit, o novo modelo foi desenvolvido de acordo com a estratégia de produto One Ford, para venda em todos os seis continentes, incluindo a Europa, a América do Norte e outros mercados-chave ao longo do globo. A nova Transit oferece uma óptima relação de custos operacionais e de capacidade de carga, com excelente eficiência de consumos, manutenções reduzidas, excepcional durabilidade, aumento de volumes de carga e pequenos recursos inteligentes de arrumação.
Baseada numa extraordinária plataforma global, a nova Transit está equipada com o mais recente motor diesel 2.2 TDCi da Ford, com opção entre tracção dianteira, traseira ou integral. É possível configurar mais de 450 variantes do modelo, entre versões Van, Chassis Cab e Minibus disponíveis na primeira fase de produção e lançamento na Europa.

A nova Transit e a nova Transit Connect conquistaram um duplo triunfo contra os seus principais rivais na respectiva classe, nos difíceis cinco dias de acção do “Arctic Van Test 2014”.

A Ford lançou no mercado a nova Transit Courier, a mais pequena van Transit de sempre, modelo que tem como objectivo os pequenos negócios e serviços de entregas urbanas. Oferecendo uma grande eficiência de consumos e capacidade de carga, a nova Transit Courier possui também excelentes recursos de segurança, espaços de arrumação na cabina e durabilidade. As opções de motores incluem os económicos blocos diesel 1.5 e 1.6 TDCi e também o premiado bloco 1.0 EcoBoost a gasolina.

A nova Transit começou a ser produzida na fábrica de Kansas City, tornando-se na primeira Transit da história a ser produzida e vendida nos EUA. A Transit é proposta com uma revista linha de motores para o mercado norte-americanos e irá, eventualmente, substituir o bem-sucedido modelo E-Series.

A produção europeia da nova Transit irá integrar a totalidade de carroçarias e variantes da gama, incluindo o Chassis Cabina com Cabina Dupla, as versões extralonga Super Jumbo, a Cabina Dupla Van, Kombi e Kombi Van, bem como as versões com a mais moderna tracção integral inteligente iAWD.

2015
A família Ford Transit celebra o seu 50º Aniversário no próximo dia 9 de Agosto, cinco décadas após a Transit ter saído da linha de produção em Langley, no Reino Unido.

NO COMMENTS

Leave a Reply

*